Somente Cristo! Somente a Bíblia!

"Fiz uma aliança com Deus: que ele não me mande visões, nem sonhos, nem mesmo anjos. Estou satisfeito com o dom das Escrituras Sagradas, que me dão instrução abundante e tudo o que preciso conhecer, tanto para esta vida quanto para o que há de vir." - Martinho Lutero
Carregando...

sábado, 15 de outubro de 2011

Conheça uma Igreja Adventista do Sétimo Dia (Oficial!) NÃO Trinitariana





Conforme já demonstramos aqui, a doutrina da IASD para os "judeus adventistas" ou "adventista messiânicos"é outra. É que os judeus conhecem a Bíblia e o Deus da Bíblia bem melhor do que a maioria de nós, adventistas, e não podem ser enrolados doutrinariamente com tanta facilidade, com referências ao sentido original no hebraico e outras ginásticas argumentativas.

Jesus Cristo é identificado por Seu nome judaico original, Ieshua. Nem mesmo a cruz faz parte do logotipo da Igreja Adventista do Sétimo Dia para judeus. E a Trindade não consta de suas crenças fundamentais. 




EUA: Novo Centro Amplia a Obra Adventista do Sétimo Dia Pelos Judeus

24 de Fevereiro de 2004
Hollywood, Florida, Estados Unidos
[Ansel Oliver/ANN]




Nos últimos dias 20 e 21 de fevereiro, a Igreja Adventista do Sétimo Dia inaugurou o Shalom Learning Center em Hollywood, Florida, num esforço por incrementar o contato com as pessoas de religião judia. Os administradores da igreja adventista viajaram desde diversas partes do mundo —incluindo França e Israel— para participar desta inauguração.





O centro está localizado na mesma propriedade da congregação "Temple of Advent Hope" (Templo da Esperança do Advento). Além das reuniões messiânicas semanais dos sábados, o centro levará a cabo seminários de treinamento durante os fins de semana e também no meio da semana durante todo o ano, para ensinar aos adventistas acerca da fé judia e de como conduzir reuniões de adoração mesiânicas. 


“Este é o primeiro centro de sua classe dentro do adventismo”, disse Mike Curzon, que é conhecido como “pastor” no Temple of the Advent Hope e como “rabino” nas reuniões messiânicas da congregação no novo edifício ao lado da igreja. 

O centro foi construído graças a doações particulares, a administração da igreja e Adventist-laymens Services and Industries (Indústrias e Serviços de Leigos Adventistas), uma organização de leigos dedicados a compartilhar a Cristo na vida diária. Andrews University em Berrien Springs, Michigan, e a Southern Adventist University em Collegedale, Tennessee, encontram-se desenvolvendo um curriculum que incluirá práticas que serão levadas a cabo no centro. 


“Sinto-me tão feliz de que um judeu adventista possa adorar como judeu”, disse Jim Zachary, diretor dos ministérios aos judeus na América do Norte. 

“Devemos recordar que Jesus era judeu”, disse o Pastor Richard Elofer, presidente da Igreja Adventista de Israel, o qual falou na cerimônia de dedicação. “A menos que nos concentremos nas raízes de Jesus como judeu, o mundo só obterá uma visão ocidental ou norte-americana de Jesus”.


Não só os judeus mas também muitos cristãos desejam adorar numa forma próxima ao tempo de Cristo. O centro ensinará as raízes judaicas da fé Adventista, o idioma hebreu e costumes judeus.

“Há necessidade de saber o que não se deve fazer que provavelmente seja mais importante do que o que se deve fazer”, disse o Pastor Teófilo V. Ferreira, que foi presidente da igreja de Israel de 1974 a 1982.



Os líderes da igreja respeitam o estilo de adoração judeu tradicional adotado pela congregação. Atrás da plataforma há um gabinete que representa a arca da aliança, com um rolo da Torá em seu interior. Durante as reuniões sabáticas, toma-se o rolo da Torá e faz-se uma leitura. As palavras do rolo também são transformadas em melodias que tradicionalmente se ouvem numa sinagoga.



“Provavelmente se parece mais à forma de adorar de Jesús”, disse Jeff Zaremsky, pastor adventista e rabino de duas congregações judias adventistas, ambas as de nome Beth-O Shalom, em St. Petersburg e New Port Richey, Florida.

A crescente popularidade deste tipo de adoração está atingindo a pessoas que não podem ser atingidas pelas reuniões tradicionais adventistas. Em cada una das congregações de Zaremsky há ao redor de 30 assistentes. “Nestas reuniões temos maior percentual de judeus presentes do que alguma vez já vi numa igreja adventista”, disse.



Zaremsky o compara às igrejas hispanas dos Estados Unidos, onde a maioria dos membros fala inglês, embora o culto se desenvolva no estilo dos hispânicos.





“Dificilmente teríamos igrejas hispanas se tudo fosse feito ao estilo norte-americano”, disse. “Ainda assim é possível ter unidade, ser um, mas com diferentes culturas”. 


Durante as festas judias, mais pessoas assistem às reuniões. Às vezes, chegam até a 100. Zaremsky utiliza as festas como oportunidades de evangelização, e convida as pessoas a estudar a Bíblia na igreja uma vez por semana. 

Curzon, que se criou como judeu ortodoxo, planeja evangelizar no centro da mesma maneira, mediante o que ele denomina evangelismo por amizade. 

“Não importunamos a ninguém. Não vamos de porta em porta; isso é um insulto para eles”, disse. “Não podemos incomodá-los com o proselitismo, ou nunca mais os veremos”. 

Do mesmo modo que Elofer, que teve sucesso com o evangelismo por amizade em Israel, Curzon anseia duplicar a quantidade de membros de sua congregação. 

As congregações judias adventistas estão ressurgindo. Trinta anos atrás, já tinha uma congregação hebréia adventista que se reunia em Times Square, New York. A área mudou, e a congregação se mudou e desintegrou. Nos últimos dois anos, surgiram três congregações deste tipo em Nova York: em Brooklyn, Queens e Long Island. Existem outras congregações em North Carolina, Oregon e Texas. 

“Cinco anos atrás não tinha nada”, disse Zaremsky. 

A administração da Igreja Adventista da Flórida deu grande apoio ao evangelismo adventista pelos judeus, e conta na atualidade com cinco congregações. 


O novo centro está localizado no Condado de Broward, entre Miami e Fort Lauderdale, a terceira congregação maior de população judia nos Estados Unidos. O centro está numa área de diversidade, já que a mesma zona existem centros comunitários judeus, sinagogas, a sede central tribal dos Índios Seminoles, e um clube polaco-norte-americano. 

“A co-fundadora da Igreja Adventista Ellen White realizou várias declarações acerca da necessidade de que trabalhemos pelos judeus”, diz Zaremsky, que é adventista já faz 20 anos, ainda que todavia se considere judeu.


“Um judeu sempre será judeu, ainda que seja budista”, diz Ferreira. “Essa é uma das razões pela que temos congregações separadas”.



Ferreira explica que muitos judeus modernos são “racionalistas”, pelo que questionam sua fé. Em particular se perguntam: “Se Deus existe, por que permitiu que 6 milhões de judeus fossem assassinados durante o Holocausto?” 


Do tempo que esteve em Israel, Ferreira se lembra de um adventista que tinha perdido 23 membros de sua família no Holocausto. Outra mulher tivera que se ocultar por sete meses entre duas paredes em seu apartamento em Budapeste, Hungria, enquanto seu esposo não judeu lhe passava alimentos através de um oco na parede detrás de um quadro. 

Os judeus adventistas de Israel sofreram ainda mais, já que alguns perderam seus amados no Holocausto, e quando se tornaram cristãos suas famílias os ignoraram. 

Ferreira diz que a maior ameaça ao judaísmo nos últimos 30 ou 40 anos é a perda cerca de 60 por cento de sua população devido aos casais mistos.




Conquanto Ferreira incentive os judeus adventistas a seguir as festas judaicas, não crê que os demais adventistas tenham que o fazer. “Não digo que não se deva fazer, mas não há razão para fazê-lo”. Da mesma maneira, pode-se celebrar o Ano Novo Chinês ainda que um não seja chinês. “Podem-se aprender lições delas”, diz Ferreira. 


Os edifícios não são chamados igrejas, mas casas de oração. Não se coloca uma cruz, senão uma Estrela de David, uma menorá (candelabro) e coletes de oração. “É o mais próximo à adoração bíblica do que alguém pode ver”, diz Curzon. 

Samuel S. Jacobson, agora aposentado em Oregon, sempre sentiu o chamado do evangelismo pelos judeus, dizem muitos líderes judeus adventistas. Seu livro “The Quest of a Jew” (A busca de um judeu) foi o instrumento para que muitos deles se unissem à igreja adventista. 

“Quando me converti em judeu messiânico tratei de achar a mensagem correta”, disse Elofer. “Eu a achei na Igreja Adventista do Sétimo Dia”. — Jeff Rogers, da Flórida, contribuiu com este artigo.

Copyright © 2003 Adventist News Network. 

Fonte: http://www.adventist.org/news/data/2004/01/1077630716/index.html.es

Nenhum comentário: