Somente Cristo! Somente a Bíblia!

"Fiz uma aliança com Deus: que ele não me mande visões, nem sonhos, nem mesmo anjos. Estou satisfeito com o dom das Escrituras Sagradas, que me dão instrução abundante e tudo o que preciso conhecer, tanto para esta vida quanto para o que há de vir." - Martinho Lutero
Carregando...

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

O SANTUÁRIO, O JUÍZO INVESTIGATIVO E O BODE EMISSÁRIO

por Walter Martin

A base do Adventismo do Sétimo Dia é o seu ponto de vista de profecia que é a escola de interpretação histórica, uma escola que sustenta que profecia deve ser entendida à luz do cumprimento consecutivo na história. O exagero dessa idéia levou William Miller e seus seguidores a ensinar que os 2300 dias de Daniel 8:14 eram realmente 2300 anos. Compreendendo desde 457 a.C, o tempo do decreto para reconstruir Jerusalém (Dn 9.24), os Mileritas pensavam que 1843 seria a data para a Segunda Vinda de Jesus Cristo. Miller e seus seguidores, entre os quais estavam James e Ellen G. White, e outros proeminentes Adventistas do Sétimo Dia, entendiam o “santuário” de Daniel 8.14 como sendo a terra que seria purificada por Cristo no “grande e terrível Dia do Senhor”, que interpretavam como a Segunda Vinda de Cristo. Temos visto, contudo, que os Mileritas foram amargamente desapontados; e quando Cristo não apareceu, o próprio Miller renunciou o sistema e todos os movimentos resultantes, incluindo o Adventismo do Sétimo Dia. Porém, os primeiros Adventistas do Sétimo Dia, confiando na “visão” do Elder Hiram Edson, transferiram o local do santuário da terra para o céu, e ensinaram que em 1844 Cristo foi, em vez disso, ao segundo compartimento do santuário no céu (o que os Adventistas do Sétimo Dia contemporâneos chamam a Segunda fase do seu ministério), para ali, examinar os casos daqueles julgados serem dignos da vida eterna. Essa fase do ministério do nosso Senhor, os Adventistas do Sétimo Dia chamam o “juízo investigativo”. É um tipo único de teoria Arminiana intencionado, acredito, para disciplinar os cristãos pela ameaça de juízo e condenação iminente àqueles cujos casos são decididos desfavoravelmente pelo nosso Senhor. Quando concluído, o juízo investigativo conduzirá à Segunda Vinda de Jesus Cristo, segundo a teologia Adventista do Sétimo Dia, e o diabo, prefigurado pelo segundo bode ou, o bode emissário de Levítico 16 (Azazel), arcará com a eterna destruição ou aniquilação pela sua responsabilidade em ter causado a entrada do pecado no universo. James White, um líder leal Adventista do Sétimo Dia, quando primeiro confrontado com a doutrina do Juízo Investigativo, opôs-se à mesma in totum, dando em essência muitos argumentos apresentados por todos os ex-Adventistas do Sétimo Dia posteriores. E foi após considerável tempo que James White finalmente concordou com a doutrina do juízo investigativo. Há muitos críticos do Adventismo do Sétimo Dia que, quando se aproximam dos conceitos do Santuário, Juízo Investigativo e Bode Emissário, ridicularizam e zombam dos pioneiros Adventistas e de seus descendentes pela aceitação de tais teorias infundadas e extrabíblicos, mas escárnio não é a resposta, e deveria ser relembrado que os Adventistas mantêm essas doutrinas em sinceridade. Portanto, se têm que ser persuadidos da natureza do seu engano, nessas áreas pelo menos, somente os fatos da Escritura e a orientação do Espírito Santo de Deus o fará.

A visão de Hiram Edson, descrito no capítulo um, é, até aqui, à medida que diz respeito a esse escritor, uma tentativa para escapar da terrível calamidade que desabou sobre o movimento Milerita, e o desapontamento e embaraçamento que deve ter seguido ao fracasso das profecias Mileritas e das interpretações deles do livro de Daniel. Nós nos limitaremos nesse capítulo, aos pontos salientes dos temas teológicos surgidos por esses ensinos especiais ou doutrinas da mensagem do advento. No assunto de interpretação profética, esse escritor está convencido que o Espírito Santo tem realmente ocultado dos inquiridores e dos intelectos dos homens verdades importantes que, sem dúvida, serão reveladas perto do tempo do fim dos tempos. Não é para nós julgarmos se as escolas de interpretação preterista, historicista ou futurista são corretas, e não deveríamos nos preocupar excessivamente se Cristo vem, antes, durante ou após a Grande Tribulação. Pelo contrário, deveríamos estar preocupados apenas com a sua vinda, pois ela é certamente “a abençoada esperança” da Igreja Cristã (Tt 2.13), cuja esperança tanto Adventistas quanto não-adventistas que compartilham a fé cristã, antecipam com alegria.

O SANTUÁRIO

Desde que, os Adventistas acreditam que o santuário a ser purificado está no céu (Daniel 8.14), o qual os Mileritas identificavam como a terra (um erro anterior lamentável), devemos perguntar: Qual é o propósito do santuário celestial e sua purificação ? Quais são realmente os ensinos Adventistas?

O livro de Hebreus definitivamente aponta para um “santuário celestial” do qual Cristo é o ministro (Hb 8.1,2), e o escritor da epístola repetidamente contrasta o Senhor Jesus Cristo, nosso ressuscitado Sumo Sacerdote, com o sacerdócio Aarônico. Mostra que, Cristo deriva sua autoridade segundo o poder de “vida indissolúvel” (Hb 7.16) e que Ele foi tanto Sumo Sacerdote quanto oferta no Calvário. E isso os Adventistas também enfatizam.

É fútil, portanto, discutir que a palavra “santuário” não se aplica ao céu ou algo de natureza celestial, desde que, as Escrituras ensinam. Porém, o erro dos Adventistas é retirar das Escrituras interpretações que não podem ser comprovadas pela exegese, mas apóia-se em grande parte por inferência e dedução, retiradas de aplicações teológicas da própria vontade deles.

No seu ensino do Santuário, os Adventistas na verdade declaram nas palavras de Ellen G. White: “Como antigamente eram os pecados do povo colocados, pela fé, sobre a oferta pelo pecado, e, mediante o sangue dessa, transferidos simbolicamente para o santuário terrestre, assim em o novo concerto, os pecados dos que se arrependem são pela fé colocados sobre Cristo e transferidos, de fato, para o santuário celeste. E como a purificação típica do santuário terrestre se efetuava mediante a remoção pelos quais se poluíra, igualmente a purificação real do santuário celeste deve efetuar-se pela remoção, ou cancelamento, dos pecados que ali estão registrados”.

Aqui temos o centro doutrinário do ensino Adventista do Sétimo Dia concernente à expiação do pecado, a qual é, que os pecados dos crentes têm sido transferidos, depositados ou registrados no santuário celestial, e agora estão sendo tratados no Juízo Investigativo.

Vamos novamente ouvir a Sra. White: “Nas ofertas para o pecado apresentado durante o ano, havia sido aceito um substituto em lugar do pecador; mas o sangue da vítima não fizera completa expiação pelo pecado. Apenas provera o meio pelo qual este fora transferido para o santuário. Pela oferta do sangue, o pecador reconhecia a autoridade da lei, confessava a culpa de sua transgressão, e exprimia sua fé naquele que tiraria o pecado do mundo; mas não estava inteiramente livre da condenação da lei. No dia da expiação o sumo sacerdote, havendo tomado uma oferta pela congregação, ia ao lugar santíssimo com sangue e o aspergia sobre o propiciatório, em cima das tábuas da lei. Assim se satisfaziam os reclamos da lei que exigia a vida do pecador. Então, em seu caráter de mediador, o sacerdote tomava sobre si os pecados e, saindo do santuário, levava consigo o fardo das culpas de Israel. À porta do tabernáculo colocava as mãos sobre a cabeça do bode emissário e confessava sobre ele todas as iniqüidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, segundo todos os seus pecados, pondo-os sobre a cabeça do bode. E, assim como o bode que levava esses pecados era enviado para longe dali, tais pecados, juntamente com o bode, eram considerados separados do povo para sempre.”

A Sra. White, além disso, declarou: “Antes que o bode tivesse dessa maneira sido enviado não se considerava o povo livre do fardo de seus pecados”.

O ensino Adventista, então, é que Cristo como nosso sumo sacerdote transferiu os pecados dos crentes (i.e., o registro dos pecados no pensamento Adventista) para o santuário celestial, o qual, será finalmente purificado no final do grande dia da expiação, o juízo investigativo tendo sido concluído. Então, os casos de todos os justos havendo sido decididos, seus pecados serão cancelados, seguindo-se à volta do Senhor Jesus Cristo em glória. A Sra. White esclareceu que o pecado transferido para o santuário no céu permanecia lá até o término do juízo investigativo e a subseqüente purificação do santuário: “O sangue de Cristo, ao mesmo tempo em que livraria da condenação da lei o pecador arrependido, não cancelaria o pecado; esse ficaria registrado no santuário até a expiação final; assim, no serviço típico, o sangue da oferta pelo pecado removia do penitente o pecado, mas este permanecia no santuário até ao dia da expiação”. Para comprovar essa posição particular, os Adventistas citam Atos 3.19 na tradução de João Ferreira de Almeida, Revista e Corrigida: “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham os tempos do refrigério pela presença do Senhor”.

A principal dificuldade com o argumento Adventista é que no Grego, Atos 3.19,20 não comprova o ensino deles de que o cancelamento dos nossos pecados ocorrerá como um evento separado do perdão dos pecados. Segundo as modernas traduções (Almeida, NVI, etc.), o texto deveria ler: “Arrependam-se, pois, e voltem-se para Deus, para que os seus pecados sejam cancelados, para que venham tempos de descanso da parte do Senhor”. Pedro estava advertindo seus ouvintes a arrependerem-se, a converterem-se de seus pecados, para receberem o perdão que vem da presença do Senhor. Esse texto não dá apoio aos Adventistas para o ensino deles do “Santuário celestial e juízo investigativo”.

O JUÍZO INVESTIGATIVO

A Bíblia explicitamente declara que quando alguém aceita Cristo como Senhor, Deus livremente perdoa todos os seus pecados e o conduz da morte espiritual para a vida espiritual somente nos méritos da vida e morte perfeita do Senhor Jesus Cristo. Com isto concordam totalmente os Adventistas e isso torna o ensino deles sobre o juízo investigativo inconsistente. Em Jo 5.24, o Grego desfere um golpe mortal ao conceito Adventista sobre o Juízo Investigativo: “Em verdade em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida” (tradução literal).

Os cristãos, contudo, não necessitam antecipar nenhum juízo investigativo por causa dos seus pecados. Na verdade “... importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo” (2 Co 5.10), mas isso não tem nada a ver com algum juízo investigativo. É um juízo para recompensas. Vários juízos são mencionados na Bíblia, mas na opinião desse escritor nenhuma passagem comprova a teoria do “juízo investigativo”, pois ela é verdadeiramente teoria, confiando em citações fora de contexto e apoiado pelo “espírito de profecia”. Eles podem acreditar nesse dogma, mas infelizmente o ensino do Novo Testamento proíbe a idéia de que “o sangue de Cristo, ao mesmo tempo que livraria da condenação da lei o pecador arrependido, não cancelaria o pecado; este ficaria registrado no santuário até à expiação final”, ou “cancelamento”. As Escrituras claramente ensinam: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 Jo 1.9). Ademais, a evidência do término do perdão de Deus e o poder purificador do sangue de Cristo é encontrado no primeiro capítulo do livro de Hebreus, onde o Espírito Santo nos informa que Cristo como “a imagem de Deus”, “sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder”, fez “a purificação dos pecados” (Hb 1.3).

Para a palavra traduzida “purificado” ou “purificação” o Espírito Santo escolheu a palavra Grega “katharismon”, da qual derivamos catártico. Portanto, é dito do Senhor Jesus e de seu sacrifício que sozinho, “por si mesmo”, deu à nossa natureza espiritual pecaminosa o completo catártico de perdão e purificação na cruz. Os cristãos podem agora regozijar-se pois o Senhor Jesus Cristo não está ocupado em pesar nossas faltas e fracassos, pois “ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó” (Sl 103.14). Não podemos, portanto, aceitar o ensino Adventista sobre o juízo investigativo desde que estamos convencidos de que a mesma não tem apoio na Escritura. Devemos rejeitar aquilo que cremos ser conceito antibíblico deles, os quais ensinam que os pecados dos crentes permanecem no santuário até o dia do cancelamento.

Os Adventistas, no ensino dessa doutrina, estão fazendo vista grossa ao fato de que “O Senhor conhece os que lhe pertencem” (2 Tm 2.19) e foi uma autoridade nada menos que o Senhor Jesus Cristo que declarou: “conheço as minhas ovelhas” (Jo 10.14). O apóstolo Paulo declara que Cristo “morreu a seu tempo pelos ímpios . . Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores ... sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho" (Rm 5.6,8,10). Isso não se compara com o ensino Adventista do santuário celestial, a transferência de pecados e o juízo investigativo. Em sua epístola aos Colossenses o apóstolo Paulo declarou: “Havendo feito a paz pelo seu sangue da sua cruz ... vós outros também que, outrora, éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras malignas, agora, porém, vos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis” (Cl 1.20-22). Mais uma vez o Espírito Santo declara que agora estamos reconciliados por meio da morte de Cristo, havendo sido perdoados todos os nossos delitos através do sangue da cruz (Cl 2.13).

Os Adventistas do Sétimo Dia, contando com Daniel 8.14, Daniel 7.9,10, Ap 14.7 e 1.18, que se referem a “juízo”, e tentam “provar” que se referem ao juízo investigativo, mas um exame da cada um desses textos no contexto revela a escassez da reivindicação. Nenhum desses textos tem alguma relação com qualquer julgamento acontecendo agora. Nem a gramática, nem o contexto, apóiam uma tal contenção. Uma pessoa pode basear essa interpretação somente na premissa Adventista de que, a escola historicista de interpretação é a única correta, e pela aceitação da definição Adventista do santuário e do juízo. É significante que eruditos bíblicos não-adventistas jamais têm seguido essas interpretações chamadas de “juízo investigativo”, pois não há apoio bíblico a não ser por implicação e inferência.

Como anteriormente mencionado, James White, no início, negou categoricamente o ensino do juízo investigativo e deu boas razões para a sua rejeição. Embora posteriormente aceitasse essa doutrina, suas objeções ainda são válidas.

“Não é necessário que a sentença final seja dada antes da primeira ressurreição como alguns têm ensinado; pois os nomes dos santos estão escritos no Céu e Jesus e os anjos certamente sabem quem ressuscitará e estará na Nova Jerusalém ... O evento que iniciará o dia de julgamento será a vinda do Filho do Homem que ressuscitará os santos que dormem e transformará aqueles que estiverem vivos naquele tempo”.

A respeito do tempo para o início do grande Juízo, James White citou: “Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino” (2 Tm 4.1). Perguntado quando esperava o juízo de Daniel sete ocorrer, James White declarou: “Daniel, na visão da noite, viu que o juízo era dado aos santos do altíssimo, mas não a santos mortais. Não ocorrerá até que o ancião de dias venha, o chifre pequeno cesse de prevalecer e seja destruído pelo brilho da vinda de Cristo”.

Vemos então, que James White no início rejeitou o juízo investigativo com boas razões. Mas, mais duas declarações dele são realmente reveladoras. Escreveu: “A vinda do anjo, Apocalipse 14.6-7 dizendo com grande voz, “Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo” , não prova que o dia do juízo veio em 1840 ou em 1844, nem que virá antes da Segunda vinda ... Alguns têm afirmado que o dia do juízo é anterior à Segunda vinda. Esta opinião é certamente infundada na Palavra de Deus”.

Naquele tempo, James White estava com uma boa base bíblica, porém depois abandonou essa posição pelas teorias e especulações proféticas divulgadas pela sua esposa e por outros líderes Adventistas influentes. O próprio Senhor Jesus Cristo colocou o juízo depois de sua Segunda vinda quando disse: “Quando vier o Filho do Homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono de sua glória, e todas as nações serão reunidas em sua presença” (Mt 25.31-32). Alguém precisa apenas ler os seguintes textos para observar que os juízos de Deus sobre os crentes e descrentes são eventos futuros. Observe a linguagem empregada:

1. “de vivos e mortos”, “em sua presença no seu reino” (At 10.42; 1 Pe 4.5).

2. “As ovelhas e os bodes quando o Filho do Homem vier em sua majestade” (Mt 25.31-46).

3. “O trigo e o joio no fim do mundo” (Mt 13.24-30, 36-43).

4. “Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo” (2 Co 5.10).

5. “Assim, pois, cada um de nós, dará conas de si mesmo a Deus” (Rm 14.10-12).

6. “manifesta se tornará a obra de cada um, pois o Dia a demonstrará” (1 Co 3.13).

Além desses versículos que inequivocamente indica o juízo futuro, o escritor aos Hebreus declara: “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo” (Hb 9.27). Isso, para alguns não-adventistas, é evidência conclusiva que não há juízo investigativo ocorrendo agora para os crentes temerem.

O livro aos Hebreus também expõe o conceito enganoso do juízo investigativo: “E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas” (Hb 4.13). Desde que, nosso Senhor conhece a disposição de “casos” alegadamente sendo revisados no Céu, que necessidade há para o “juízo investigativo?” Cremos que as Escrituras não apóiam decididamente uma tal doutrina.

Concluindo nossos comentários sobre o juízo investigativo, observamos que recompensas para os crentes serão repartidas depois da Segunda vinda do nosso Senhor, ou na “ressurreição dos justos”, para a ressurreição da vida (Jo 5.29, Lc 14.14). Até mesmo os Adventistas concordam na crença de que o juízo investigativo conflita com o ensino bíblico sobre o juízo com respeito a crentes e descrentes. Ao ver desse escritor, o grande erro dos ensinos do santuário e do juízo investigativo é a premissa que os pecados confessados pelos cristãos não são completamente tratados até o término do juízo investigativo, uma posição que a Escritura não permite.

Os Adventistas, na opinião de eruditos conservadores bíblicos, estão apenas especulando com suas teorias do santuário e juízo investigativo. De fato, muitos concordam que criaram doutrinas para compensar pelos erros na interpretação profética. Mas - muitas doutrinas intencionadas a resolver seus problemas teológicos têm, por sua vez, aumentado o dilema deles - um dilema que têm ainda de resolver! O apóstolo Paulo declarou: “Agora, pois, já nenhuma condenação (i.e. juízo, no grego), há para os que estão em Cristo Jesus” (Rm 8.1); aqui cada causa do cristão deve descansar. Jamais podemos ser indiciados novamente por nossos pecados nem condenados por eles, porque Cristo pagou plenamente a penalidade. Para aqueles que crêem em “segurança eterna” não há, pois, juízo, para a penalidade do pecado, i.e., separação eterna de Deus. Contudo, as Escrituras ensinam que, seremos julgados pela maneira como vivemos como cristãos (2 Co 5.10). Os Adventistas do Sétimo Dia aprovam uma doutrina que nem soluciona as dificuldades deles nem engendra paz de mente. Mantendo como fazem a doutrina do Juízo Investigativo, é extremamente difícil para entendermos como podem experimentar a alegria da salvação e a compreensão de pecados perdoados. Contudo, isso é verdade com respeito à pretensa teologia Arminiana como um todo, a qual ensina que vida eterna concedida por Deus aos crentes, não é realmente eterna em duração. Segundo esta escola, é uma vida condicional, a ser revogada por Deus quando à sua vista transgressões suficientes tenham ocorrido. No livro aos Romanos contudo, declara: “porque os dons de Deus e a vocação de Deus são irrevogáveis” (Rm 11.29). Deus está totalmente consciente de nosso passado, presente e futuro quando nos chama e reivindica; sua onisciência é nossa garantia de segurança eterna.

Há, contudo, esclarecimento e sumário da doutrina do juízo investigativo no livro Questions on Doctrine (Perguntas sobre Doutrina), é dito: “É nosso entendimento que Cristo, como sumo sacerdote conclui seu ministério intercessório no céu em uma obra de juízo. Começa sua grande obra de juízo na fase investigativa. No término da investigação, a sentença do juízo é pronunciada. Então, como juiz, Cristo desce para executar, ou pôr em prática, aquela sentença. Pela sublime grandeza, nada na palavra profética pode comparar-se com a descrição de nosso Senhor quando desce dos céus não como sumo sacerdote, mas como Rei dos reis e Senhor dos senhores. E com Ele estão todos os anjos do céu. Ele ordena aos mortos, e aquela vasta hoste inumerável daqueles que dormem em Cristo ressurgem para a imortalidade. Ao mesmo tempo, aqueles entre os vivos que são verdadeiramente filhos de Deus são arrebatados juntos com os redimidos de todas as épocas para encontrar o seu salvador no ar, e ficar para sempre com o Senhor. Como temos sugerido, os Adventistas do Sétimo Dia crêem que na Segunda vinda de Cristo, o destino eterno de todos os homens terá sido irrevogavelmente fixado pelas decisões de um tribunal de juízo. Um tal juízo obviamente ocorreria enquanto os homens estão vivos ainda na terra. Os homens poderiam estar completamente desapercebidos do que está em andamento no céu. Dificilmente é para ser imaginado que Deus falharia em avisar aos homens de um tal juízo iminente e de seus resultados. Os Adventistas do Sétimo Dia crêem que a profecia prenuncia um tal juízo, e na verdade indicam o tempo no qual era para iniciar... Quando o sumo sacerdote no serviço típico tinha concluído sua obra no santuário terrestre, no Dia da expiação, vinha à porta do santuário. Então, o ato final com o segundo bode, Azazel, ocorria. “Da mesma maneira, quando nosso Senhor completar seu ministério no santuário celestial também virá. Quando fizer isso, o dia da salvação terá terminado para sempre. Cada alma então, terá feita sua decisão a favor ou contra o divino Filho de Deus. Portanto, sobre Satanás, o instigador do pecado, é colocada sua responsabilidade por ter iniciado e introduzido à iniqüidade no universo. Mas ele (Satanás), em nenhum sentido, expia vicariamente pelos pecados do povo de Deus. Todos estes, Cristo totalmente levou e expiou vicariamente por todos, na cruz do calvário”.

É evidente, então, que para os Adventistas, o juízo investigativo é algo muito real, e crêem que, o cancelamento final dos seus pecados depende dos resultados daquele juízo, culminando na destruição final (aniquilação) dos ímpios e Satanás, tipificado pelo bode emissário de Levítico 16.

O BODE EMISSÁRIO

Talvez nenhuma doutrina dos Adventistas do Sétimo Dia tenha sido mais mal compreendida do que o ensino concernente ao bode emissário (Lv 16). Por motivo de certas escolhas infelizes de palavras por alguns escritores Adventistas, a impressão que tem sido dada é que os Adventistas consideram Satanás como um parcial portador de pecados para o povo de Deus. Isso pode ser considerado pelo fato que nos primórdios do Adventismo, eles formaram muito da sua teologia sobre a tipologia do santuário Mosaico, usando quase que exclusivamente a fraseologia da bíblia King James Version (a versão Almeida Corrigida). A partir daqui, entram em dificuldades quando tratam com conceitos tais como o bode emissário (Lv 16). Muitos eruditos, todavia, apóiam o conceito Adventista do Sétimo Dia que, Azazel representa Satanás. Seja como for, o aspecto importante aqui é o lugar do bode emissário com respeito à expiação de Cristo. Os Adventistas crêem que Satanás eventualmente torna-se o portador de seus pecados? Em absoluto! Esse escritor está convencido que o conceito Adventista do bode emissário, com relação ao dia da expiação, o santuário e o juízo investigativo é uma combinação bizarra de interpretação profética e tipologia; mas de modo algum essa é uma doutrina destruidora de almas como muitos pensam que seja. Deixemos que os próprios Adventistas falem:

“Assumimos nossa posição inigualável sobre a plataforma do evangelho: a morte de Cristo providencia a única propiciação pelos nossos pecados (Jo 2.2; 4.10); não há salvação através de nenhum outro meio ou mediador e não há nenhum outro nome pelo qual possamos ser salvos (At 4.12); e que somente o sangue derramado de Jesus Cristo traz o perdão para os nossos pecados (Mt 26,28). Esse é o fundamento.”

“Quando Satanás tentou nossos primeiros pais para pegar e comer do fruto proibido, ele, assim como eles, tiveram responsabilidade inevitável naquele ato - Ele, o instigador, através das eras, em todo pecado, está envolvido em responsabilidade, como originador e instigador, ou tentador (Jo 8.44; Rm 6.16; 1 Jo 3.8).

Agora, com relação aos meus pecados, Cristo morreu por eles (Rm 5.8). Ele foi traspassado pelas minhas transgressões e por minhas iniqüidades (Is 53). Ele assumiu minhas responsabilidades, e apenas o seu sangue purifica-me de todo pecado (1 Jo 1.7). Expiação por meu pecado é feita somente pelo sangue derramado de Cristo.

“Em relação ao pecado de Satanás e sua responsabilidade como instigador e tentador, nenhuma salvação é providenciada para ele. Deve ser punido pela sua responsabilidade ... Ele mesmo deve ‘expiar’ pelo seu pecado em levar os homens a transgredir; da mesma forma que um mestre do erro sofre na forca ou na cadeira elétrica por sua responsabilidade nos crimes pelos quais levou outros a cometerem. É somente no mesmo sentido que podemos entender as palavras de Levítico 16.10 com respeito ao bode emissário fazer expiação por ele.

“Satanás é a mente mestra responsável no grande crime do pecado, e sua responsabilidade retornará à sua própria pessoa. A evidência esmagadora pela sua responsabilidade nos pecados dos ímpios tanto quanto nos dos justos, deve ser colocada sobre ele. A simples justiça exige que, enquanto Cristo sofre por minha culpa, Satanás deve também ser punido como o instigador do pecado.

“Satanás não faz nenhuma expiação por nossos pecados. Mas, no final, terá que sofrer a punição retributiva pela sua responsabilidade nos pecados de todos os homens, tanto dos justos quanto dos injustos.

“Os Adventistas do Sétimo Dia, portanto, repudiam, in totum, alguma idéia, sugestão, ou implicação que Satanás seja, em algum sentido ou grau nosso portador dos pecados. O pensamento é detestável para nós, e um sacrilégio assustador.

“Somente Cristo, o criador e o único Deus-homem, faria uma expiação substitutiva pelas transgressões dos homens. Isso Cristo fez completamente, perfeitamente e de uma vez por todas, no Gólgota”.

Com certeza, os Adventistas do Sétimo Dia têm um conceito inigualável do bode emissário, mas à luz da explicação deles, nenhuma crítica poderia incriminá-los honestamente por heresia com respeito à expiação de nosso Senhor. Os Adventistas têm declarado inequivocamente que Jesus Cristo é a única propiciação pelos pecados deles e que Satanás é o mestre do erro do universo e que isso é axiomático; portanto, ele deveria sofrer como o instigador da rebelião angélica e humana. Há, naturalmente, muitas interpretações de Levítico 16 expostos por eruditos cultos, a grande maioria dos quais não são certamente Adventistas; assim, na melhor das hipóteses a discussão está aberta. O Abingdon Bible Commentary (Metodista), a respeito de Levítico 16 e do bode emissário declara: “Sobre os bodes são lançados sortes, um para Jeová e o outro para Azazel. A tradução emissário na margem da Revised Version aqui (conferir remoção na ASV, margem) é inadmissível, sendo fundamentada em uma etimologia falsa. O significado da palavra é desconhecida, mas seria mantida como um nome próprio de um demônio do deserto”.

Com relação a essa declaração, seriam acrescentadas as opiniões de Samuel Zwemer, E.W.Hengstenberg, J.B.Rotherdam e J.Russel Howden, o último dos quais escreveu no Sunday School Times de 15 de janeiro de 1927: “O bode para Azazel como é algumas vezes traduzido enganosamente, tipifica o desafio de Deus a Satanás. Dos dois bodes, um era para Jeová significando a aceitação de Deus da oferta pelo pecado; o outro era para Azazel. Provavelmente, isso é para ser entendido como uma pessoa em paralelo a Jeová na cláusula precedente. Azazel é provavelmente sinônimo para Satanás”.

Embora os Adventistas não tenham apoio exegético para as suas teorias do santuário e do juízo investigativo, uma coisa é certa: Eles têm mais do que apoio erudito razoável para atribuir o título “Satanás” a Azazel em Levítico 16 concernente ao bode emissário, mas onde a Escritura especificamente não esclarece é mais sábio não comentar. Muitos críticos, zelosos para pungir o Adventismo e classificá-lo como “uma seita anticristã perigosa”, enfatizam demasiadamente sobre o ensino do bode emissário. À luz das declarações atuais do conceito referente ao bode emissário, em relação à má compreensão do passado, têm finalmente esclarecido de uma maneira plausível.

Muito, muito mais poderia ser escrito acerca dos conceitos Adventistas do Sétimo Dia do santuário, juízo investigativo e do bode emissário desde que estão interligados. Mas escritores tais como W. W. Fletcher (The Reasons for my Faith), e outros ex-Adventistas do Sétimo Dia têm exaustivamente refutado a posição da filiação anterior deles. Recomenda-se ao leitor consultar a Bibliografia para informação adicional sobre esse assunto. O mérito especial de toda situação é que, os Adventistas felizmente negam as conclusões lógicas para as quais suas doutrinas os conduzem, i.e., uma negação da plena validade da expiação de Cristo, cuja validade, absolutamente afirmam e abraçam com considerável fervor, uma situação paradoxal, na melhor das hipóteses.

NOTA DO AUTOR

Desejaríamos que algumas das primeiras declarações não-representativas dos Adventistas do Sétimo Dia sobre o bode emissário não tivessem sido feitas, ou melhor, ainda, que elas não fossem disseminadas em algumas de suas publicações. Contudo, ignorar suas declarações atuais, é, acreditamos, basicamente desleal. Parece-nos ser pouco mais do que preconceito cego. Uma recente análise do livro, Questions on Doctrine, contém um erro freqüentemente encontrado em escritos críticos. Imputando-lhes uma posição que não mantêm, o analista então procede para destruí-lo como se fosse verdade e em última análise exposto e refutado como sendo um erro pernicioso. Enquanto seja verdade que os Adventistas do Sétimo Dia crêem que Azazel, em Levítico 16, representa Satanás, a interpretação deles é removida por esse analista de palha. Após a citação do Adventismo do sétimo dia declara: “mas, então, dois capítulos inteiros são dedicados para provar que Satanás carregou nosso pecado”. Continua descrevendo a posição Adventista como “repulsiva blasfêmia” e “perversa confusão da Escritura”. Se os Adventistas do Sétimo Dia fossem íntegros em tudo, e ainda mantivessem esse erro grosseiro, ainda teríamos que considerá-los como uma seita anticristã”.

Agora, com algumas outras partes dessa análise concordamos. Mas muitas dessas declarações mostram uma marcada predisposição referente à remoção de várias declarações dos Adventistas do Sétimo Dia as quais contradizem essas críticas fora de contexto. Cada capítulo claramente aludido mostra que esse ensino repudia o sentido que o analista anexou ao conceito do bode emissário. Como temos observado, é lamentável que esse ensino tenha sido assim declarado em alguns escritos Adventistas para dar a impressão que o bode emissário represente Satanás no papel de portador vicário de pecados, mas os Adventistas têm esclarecido isso, sem qualquer sombra de dúvida, na ampla maioria de suas publicações.

No livro Questions on Doctrine, esclarece o conceito do bode emissário na teologia Adventista do Sétimo Dia. Para os Adventistas, quando o Senhor Jesus Cristo voltar, Ele colocará sobre Satanás a total responsabilidade pelo seu papel de instigador e tentador do pecado. Desde que Satanás causou aos anjos e aos homens a se rebelarem contra o criador deles, os Adventistas concluem que Azazel, o bode emissário de Levítico 16, é um tipo de Satanás recebendo a sua devida punição. Como temos visto, contudo, os Adventistas repudiam a idéia que Satanás seja o portador vicário de seus pecados em qualquer sentido. Ressaltam, e corretamente o fazem, que em Levítico 16 somente o primeiro bode era sacrifício como a oferta vicária. O segundo bode não era sacrificado, mas era enviado ao deserto para morrer. Satanás, semelhantemente, arca com o peso da culpa e castigo final culminando na aniquilação, como o mestre do erro, que tem promulgado o pecado durante o período da graça de Deus para com os homens perdidos. Citando os Adventistas:

“A morte de Satanás umas mil vezes jamais poderia torná-lo salvador em qualquer sentido. Ele é o arquiperverso do universo, o autor e instigador do pecado. Somente Cristo o criador, o único e somente o único Deus-homem poderia fazer uma expiação substitutiva pelas transgressões dos homens. E isso Cristo fez completamente, perfeitamente e de uma vez por todas no Gólgota”.

Martin, Walter R. The Truth About Seventh-day Adventism.

Zondervan Publishing House, 1960, Grand Rapids, Michigan

Um comentário:

WILTON VILLOTE RODRIGUES disse...

Gostaria de declarar de todo o meu coração, o amor e respeito que temos por todos os que ainda não entendem que o Bode Emissário é o Senhor Jesus. Estamos pedindo ao Nosso Amado Pai Celestial, que ilumine suas mentes e corações e os conduza a compreender os textos Sagrados sob a égide do Espirito Santo. A seguir transcreveremos parte de um estudo que, creio nos ajudará muitíssimo a entender de uma vez por todas a questão do Bode Emissário.
1. Nenhum texto da Bíblia diz que o diabo é simbolizado pelo bode, e nem que ele levará o pecado. Quem afasta para sempre o pecado do povo é Deus, por meio de Cristo e não de uma criatura satânica.É Jesus quem levou os nossos pecados e não o diabo. E foi Cristo quem sofreu por nossos pecados. Medite: Sl 103.12;Is 43.25; 1 Jo 3.5( "...alusão ao bode emissário - leva embora ( ARA, tira " ); 1Pe2.24 2 Co 5.21; 1Pe.2.21;Is53. 4,12;Mt8.17.
2.Hb 9.22 é apenas um princípio geral,pois Lv. 5.11 fala de uma oferta pelo pecado de flor de farinha, para perdão do pecado v.13, que excluia o derramamento de sangue. O ritual de purificação do leproso também usava de um animal vivo ( Lv. 14.1-7).
3. O Bode vivo que levava o pecado, representa o ato de Jesus de destruir, levar embora o pecado, afastar para longe o pecado da humanidade. Assim o bode vivo não representa o Salvador morto, mas o carregar dos pecados para longe do povo.Deus não apenas perdoava, purificava, removia, da vista e lembrança e para longe a contaminação trazida pelo pecado ( Sl.103.12 ; Mq 7.19). No dia da expiação 2 bodes. 1 parte de Deus, sacrificado e o sangue levado para dentro do véu, exigências de Deus;2 o Emissário levava embora a iniquidade de Israel à terra desabitada, a necessidade humana.Observemos os vários aspectos da OBRA DE CRISTO na redenção são simbolizados pelo que os dois animais desempenham no Dia da expiação, cada um com seu papel...1. Morte subistituta 2.o Sumo Sacerdote confessava os pecados e enviava-o para o deserto, representando o efeito de mandar embora,para sempre, os pecados de Israel, e simbolizava a Obra de Cristo, que era levar para sempre os nossos pecados.